• sombras
    Sombras

    Sombras

    Ao longo da História as relações que os povos tiveram com os seus governantes variaram em função de alguns fatores. Seja em monarquia, tirania, ditadura, democracia ou outra forma de governo, a função do Estado sempre foi muito clara: manter a ordem; a segurança; a saúde e a educação do seu povo. À medida que as civilizações foram crescendo e se tornaram mais complexas, também as expectativas relativamente ao poder se foram alterando. O conceito de felicidade coletiva passa a designar um conjunto de elementos que não apenas as condições básicas de sobrevivência e acrescentam-se conceitos como a igualdade, a liberdade e o conforto de cada indivíduo. Um governante que…

  • A State of Mind

    Dar e tirar

    Bateram quatro fortes pancadas na porta. A força de cada uma fez vibrar cada objeto que se encontrava no interior da casa. António levantou-se da cama, olhou para o relógio que trazia no pulso reparando que pouco passava das quatro da manhã. – Arminda… bateram à porta, deve ser para ti. – Vai lá ver quem é, homem de Deus… – resmungou a senhora. – Vai lá tu que eu não sou a parteira! – Quem é o homem da casa? Vê lá se queres que lá vá de saiote… – Mas podes vir comigo, não? Dizem que anda para aí tanta ladroagem, ainda na outra semana entraram numa casa…

  • A State of Mind

    Último dia

    Finalmente sessenta e cinco anos. Nogueira sonhou toda a vida com o dia do seu sexagésimo quinto aniversário, finalmente poderia ir gozar a merecida reforma. Cinquenta anos de trabalho, sempre a serralheiro, sempre a lidar com soldas e limalhas, conhecia a rebarbadeira e a máquina de soldar como ninguém.  Eram as suas meninas, porém queria descanso e também dar-lhes descanso, estava farto de trabalhar. Foram muitos anos a fazer portões. Agora podia finalmente pensar em si, estava feliz era o último dia de trabalho, ou seja, que ia à fábrica deixar a bata e a chave do cacifo. Nogueira sentia-se aliviado. Sentia que tinha cumprido a sua obrigação e agora,…

  • A State of Mind

    Carta ao doutor

    Senhor doutor estou a escrever-lhe para lhe contar o meu grande segredo. Sei que nunca vai ler esta carta, porque eu nunca lha vou entregar, mas preciso de contar-lhe isto senão um dia ainda rebento. Tenho uma dor muito forte. Não uma dor daquelas que o doutor me escuta ou manda fazer uns exames e sabe logo o que tenho, é uma dor por dentro, uma dor daquelas que dói muito no coração. De certeza que o doutor sabe porque deve já ter-lhe doído também. O doutor é meu amigo, brinca comigo e assim, mas eu queria outras brincadeiras. Sei que nunca reparou em mim como uma pessoa, ou melhor,…

  • A State of Mind

    Tem que acontecer

    Matias começou a sua distribuição diária. O bairro era pacato, habitantes de classe média alta, alguns mesmo muito alta. Pessoas simpáticas que sempre que o viam lhe davam os bons dias. Em manhã de sorte vinham mesmo acompanhados de uma moeda ou, se fosse a dona da casa, de um bolo. À vista desarmada percebia-se que aquela gente era de bem, era o bairro perfeito para se viver. À medida que ia pedalando, Matias sonhava ganhar dinheiro para poder comprar uma casa naquele bairro, ou mesmo quem sabe “engatar” ali uma moça que morresse de encantos por ele e… A vida de ardina não era fácil. Levantava-se diariamente às sete…

  • A State of Mind

    Tu fazes-me tanta falta…

    Irene já se encontrava sentada na sua pedra. Passaram-se quase dois anos desde a tragédia do desabamento nas minas do Pejão, mas a mulher quase todos os dias, à mesma hora, estava ali não se sabia muito bem a fazer o quê, a falar com quem ou mesmo a rezar. Sentada em frente ao portão que dava acesso à boca da mina, esperava até às seis da tarde onde tantas vezes esperou o marido, sobretudo quando este saía de madrugada sem guarda-chuva. Jerónimo só conheceu uma entidade patronal. Começou a trabalhar com doze anos de idade, acabou por falecer com trinta e seis, passando portanto dois terços da sua vida…

  • A State of Mind

    Páscoa Feliz…

    Oito horas em ponto. Luísa já se encontrava sentada em frente à secretária dando as boas-vindas a mais um dia de trabalho. Temia a chegada do senhor engenheiro, sobretudo se este estivesse mal disposto. Começou por verificar as encomendas reunindo uma série de faturas a ver se tudo estava em ordem. Tinha ainda que preparar os ordenados dos trabalhadores. Já se passaram oito anos e a moça continuava a aturar as barbaridades daquele patão barrigudo. Propositadamente vestia-se mal para ir trabalhar com o medo que ele tentasse alguma coisa fora do normal. Sonhava com o dia que pudesse esfregar-lhe a carta de despedimento na cara. Aquele insuportável ser era obra…

  • A State of Mind

    Salta Eugénia, salta…

     Eugénia correu para junto do rádio. Ligou-o e procurou uma emissora que passasse música do seu agrado. – Esta música hoje em dia é uma autêntica porcaria! Só barulho… depois dizem que é Dance ou lá como lhe chamam… isto serve lá para dançar? Ai meu Deus que saudades eu tenho de dançar uma valsa! Como eu gostava de dançar uma boa valsa com o meu Moreira, que Deus o tenha. Ele dançava tão bem a valsa, depois que partiu não mais dancei! Aqueles bailes… A viúva recordava os momentos mais felizes da sua juventude. O tempo, bem como a demência que a atacara, encarregaram-se de lhe apagar algumas memórias,…

  • A State of Mind

    A alma em risco

    O relógio da igreja já tinha badalado as nove da manhã. Apesar de espreitarem alguns raios de sol, o dia apresentava um tom acinzentado, remetendo-nos para o interior de uma cúpula melancólica e desgostosa, vazia de movimento. Tudo parecia falso naquela hora. O próprio cantar dos pássaros era estranho, certamente entoado por obrigação ou mesmo feito em playback. Nada batia certo. Naquela simples aldeia algo estava a acontecer, ou melhor, nada de novo acontecia. O orvalho matinal abafava o respirar das plantas que suspiravam pela ausência de calor. As portas das casas estavam escrupulosamente cerradas, obrigavam-nos a construir a chave e, através da nossa imaginação, penetrar no interior das mesmas.…

  • A State of Mind

    Tudo era culpa

    Luís chorava. Pedro olhava, ora para o berço, ora para a porta do quarto. – Pronto bebé a mãe já vem. Amarrado àquela cadeira de rodas sentia-se completamente incapaz, completamente impotente, um verdadeiro inútil. Começava a ficar nervoso. Não avistava Cláudia nem sequer ouvia os seus passos pelo corredor. Não queria chamá-la pois sabia perfeitamente que se não vinha tinha um motivo. Estava certamente a fazer o jantar ou a meter a roupa na máquina ou… – Foda-se! – praguejou ele. O seu sistema nervoso estava já a alterar-se ao ponto da sua respiração ficar completamente alterada. Por muito que se esforçasse não conseguia deixar e sentir raiva, quer por…